sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Eu nem sabia que ele era bombeiro

 Tinha menos de uma hora para uma pequena lista de compras, entre ir buscar macaquito e posteriormente a irmã, tempo mais que suficiente se não me perdesse à procura das prateleiras ou de macaquito, por isso preparei-o ainda no carro.
-Olha, vamos ali fazer umas compras mas não podes fugir de mim, nem fazer disparates.
-Sim mas temos de pagar na caixa número 6, está bem?
-Sim, tudo bem.
Entrámos no supermercado e ele diz-me logo num tom demasiado dramático.
-A caixa 6 está fechada, o que vai ser de nós?
Comecei as compras e ele sempre a reclamar, já estávamos de saída e ouve-se nos altifalantes.
"Estimados clientes, a caixa número 6 vai abrir..."
-Olha mãe, a caixa 6 vai abrir, podemos ir para lá? Podemos?
-Sim, vai andando que eu vou só buscar mais uma coisa.
Entre ir e vir, juro que não demorei mais de 30 segundos
"Estimado clientes a caixa número 6 vai encerrar..."
A cara dele dividia-se entre a estupefacção e o desânimo. Escolho outra fila e encontro a professora dele do primeiro ano, que me dizia que já se vinha a rir porque já o tinha ouvido na outra ponta da loja. Enquanto esperávamos vez, conversámos um pouco e ele aproveitou para se pisgar para o lado de fora das caixas. Dirigi-se à caixa 5 e faz um inquérito ao funcionário sobre o porquê de não estar a caixa 6 aberta, isto claro, recheado de sugestões de funcionamento da própria superfície comercial. O rapaz, cheio de boa vontade e provavelmente farto de o ouvir diz-lhe assim:
-Olha, ficas responsável pela caixa número 6. Vens para aqui trabalhar e a caixa 6 é tua.
Ele corre até ao pé de mim.
-Mãe, ouviste? O senhor disse que eu sou responsável pela caixa 6, por isso, vais buscar a mana e depois vens-me cá buscar.
-Claro que sim, sem problema mas se ficares, tens de fazer o turno completo, por isso, só te venho buscar amanhã de manhã. - com filhos deste calibre tem de se ter destreza mental e argumentos prontos na ponta da língua.
-Ah! Ok...-(e agora o que é que faço??)
Corre de novo para a caixa 5 e diz muito depressa.
-Olhe senhor, eu não posso ficar porque a minha mãe está com um bocadinho de pressa mas amanhã de manhã venho cá assinar contrato!
O silêncio das pessoas que estavam todas atentas à conversa, transformou-se em gargalhada. Ele corre de novo para mim.
-Mãe, mãe, amanhã venho cá assinar contrato mas tens de passar nos bombeiros e dizer que eu já não posso trabalhar mais para eles.


12 comentários:

  1. ADORO!!!!!!

    (Quando for assim, vai direta para casa, não vá pelo caminho surgir-lhe uma terceira oportunidade de carreira. Imagina que passavas pelas bombas para atestar depósito do carro. às tantas arranjava logo uma oportunidade de ir trabalhar para lá.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma pessoa pensa que conhece os filhos e depois é isto. Eu convicta de que pertencia ao quadro dos CTT e afinal anda-me aí a apagar fogos.
      (Muitas vezes tenho de me organizar para fazer o que tenho de fazer sem o levar porque acabo por demorar o dobro do tempo em qualquer sítio que vamos, é um tagarela)

      Eliminar
  2. Oh pahhhhhhhhhhhhhhhhhh. <3 <3 <3 <3 <3

    ResponderEliminar
  3. Isso é que é o verdadeiro moço dos 7 ofícios 😉😉😉

    ResponderEliminar
  4. onde é que vocês moram? quem sabe, eu podia de vez em quando, ir ao mesmo supermercado e conversar um pouco com esse funcionário tão expedito. :))
    estou sem palavras!maravilhoso.
    boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conversar, falar, tagarelar... ele adora.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Muito, muito bom! Adorei vir por aqui. Sou muito sensível às questões do espectro do autismo, por experiência própria e, tal como tu vejo as saídas deles com muito humor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-vinda, prometo continuar a partilhar as nossas gargalhadas. A ideia é exactamente sensibilizar. Obrigada pela companhia e pelas palavras.

      Eliminar

Dá cá bananinhas!