domingo, 17 de março de 2019

Melhor padrinho de sempre

No meu trabalho tínhamos três coelhos anões que, por serem duas fêmeas e um macho e por se reproduzirem que nem coelhos, já vão em treze. Tenho o hábito de tirar fotos e fazer vídeos dos nossos animais para mostrar aos miúdos e o resultado foi que macaquita se apaixonou por um dos coelhinhos da última ninhada e está farta de me pedir que o traga para casa.
Hoje ao deitar, estava na palhaçada com macaquito e veio à baila a história do coelhinho cinzento que a irmã tanto quer, e perguntei-lhe o que lhe havíamos de chamar:
-Huuummm, já sei! Ventoinha?! Não espera... Hélice!
-Hélice?- pergunto eu.
-Sim, o melhor na amigo da Alice é um coelho!
Portanto se algum dia convencermos o pai a trazer um coelho cá para casa, chamar-se-á Hélice in Wonderland.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Défice de atenção

-Hoje é terça feira, hoje é terça feira.... -canta macaquita assim que acorda.
-Pois é mas qual é a razão dessa felicidade toda?
-Hoje tenho natação, expressão plástica e ginástica e não vou estar quase tempo nenhum com a professora R. É o meu dia preferido.
Não me faz qualquer sentido pôr as competências académicas à frente de nada que os faça felizes, macaquita adora pintar e tocar violino e é particularmente boa nessas actividades, portanto, que se lixe a negativa a matemática (shiuuu, não a vou deixar ler este post) porque sei que é feliz a fazer um monte de outras coisas. Não consigo deixar de sentir orgulho quando me conta que brincou com aquela colega que ninguém gosta ou que teve vontade de chorar porque ninguém quis dar a mão à menina que tem Síndrome de Down.
-Se eu estivesse lá tinha-lhe dado a mão! - contava-me indignada, depois de toda a turma ter levado um ralhete da professora por causa da situação numa actividade que macaquita não frequenta.
Tem nas artes e nas competências sociais uma habilidade imensa, inversa à sua capacidade de concentração em sala de aula e eu sabendo de antemão que todo o esforço que faz para se sair bem nem sempre é compensado, sublinharei sempre que o coração dela é muito maior que zero que teve no último teste.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Ah pois, a motricidade fina e coiso...

Da única vez que duvidei de ti, a tua vontade sobrepôs-se à minha descrença e provaste, desta vez a mim, que para ti não há impossíveis, que quando tu queres, basta quereres. Era eu a dizer-te num tom condescendente que escolhesses outro instrumento e tu num dilúvio de emoções e histerismo a dizer que não, que era este que querias. Acedi na esperança que me contrariasses a dúvida mas duvidei, duvidei tanto.
E hoje, vejo-te dono das tuas notas, guerreiro contra todas as adversidades, vejo-te esforço e vontade e resoluto quando não atinges a nota certa mas ultrapassas a frustração e atacas de novo com a mão esquerda. Obrigada macaquito, tenho o peito cheio de orgulho e de um amor absolutamente desmesurado.


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Há amores assim

Macaquita pediu-me umas moedas para comprar uma prenda do dia dos namorados no ATL da escola.
-Então, uma prenda dos namorados? Há alguma coisa que eu deva saber? -perguntei em jeito de brincadeira.
-Ohhh mãe, é para o V! Nós não somos namorados mas este dia é para as pessoas que nós gostamos muito não é só para namorados. 
Dou a mão à palmatória e partilho  convosco o que faz o meu coração bater a mil à hora.




quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

De todos os sorrisos do mundo o teu é o que mais nos importa

-Mãe, hoje sou eu que te vou contar uma história, pode ser? - pediu macaquita.
-Ok, conta lá mas tem de ser uma história pequenina que já passa muito da hora de dormir. 
-É uma história muito bonita sobre uma arca do tesouro. Quer dizer, é uma história sobre o inverno. No inverno as pessoas andam sempre de mau humor, chateadas com tudo, chateadas com a vida, mal dispostas, só dizem coisas más porque estão sempre mal dispostas e zangadas e de mau humor, nunca se riem e só fazem sorrisos à pressa... - contava a sua história de forma atabalhoada, repetindo sinónimos pois é repetindo sinónimos que dá ênfase ao que quer enfatizar. Sorri com a expressão "sorrisos à pressa" indaguei-me onde a teria lido ou ouvido. 
-A Maria um dia estava em casa à espera do pai e correu para o seu colo quando o ouviu chegar, o pai enxotou-a como se enxota um gato e disse-lhe que ela já não tinha idade para andar ao colo e a Maria ficou muito triste... - continuou a história até ao fim e rematou com um " É bonita, não é mãe? "
-É mesmo,  gostei muito mas agora tens de dormir.
-Achas que o pai anda sempre mal disposto por ser inverno?
-Sim, deve ser isso. - respondi-lhe a rir.
-É que ele já não dá gargalhadas e eu tenho saudades de ver o pai rir.
-O pai ri-se, só anda cansado e sem paciência, tens de ter tu paciência.
-Ele ri-se mas é só com a cara, é como os palhaços. Sabes, os palhaços são pessoas, às vezes estão tristes mas fazem rir os outros, riem-se com a cara, não é com o coração. As pessoas têm de se rir com o coração, só assim é que sabemos que estão felizes.
Abracei-a e dei-lhe um beijo de boa noite, sorri com o coração e mais uma vez fiquei com a certeza que alguma coisa estamos a fazer muito bem. Menos, talvez... sorrir!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Prioridades

Macaquito anda, mais uma vez, numa fase de muita ansiedade. Por causa disso, tem tido muita dificuldade em adormecer sozinho e pede sempre companhia até adormecer, normalmente, eu e o pai vamos à cama dele e da irmã à vez, sendo que temos sempre de ir os dois à cama dele.
-Mamã, hoje ficas comigo até adormecer?
-Sim, sabes bem que sim.
-Mas e se o pai quiser vir?
-Não queres que o pai venha um bocadinho?
-Não, mas também não quero que ele fique triste.
-Não fica, não te preocupes com isso.
Já estávamos na conversa há uns bons 10 minutos, quando o pai apareceu para me render.
-Desculpa pai, hoje não dá para vires para aqui. Sabes, tenho a agenda cheia,  se não te importares eu arranjo tempo para ti amanhã, ok?!

domingo, 13 de janeiro de 2019

Até que idade se vendem dentes a fadas???

-Mamã, acho que o avô Manel perdeu um dente. - o avô Manel na verdade é bisavô, tem 92 anos e nem estranhei que pudesse ter perdido um dente, só não estava a perceber o porquê da conversa.
-O avô Manel? Então?
-No Natal ele deu-me uma nota e de certeza que ele recebeu a nota da fada dos dentes.
-Da fada dos dentes? Não estou a perceber.
-Lembras-te quando perdi o dente na casa dos avós e estava uma nota debaixo da almofada? A nota que o avô me deu no Natal também estava assinada pela fada Moragui. Por isso de certeza que ele perdeu um dente e recebeu uma nota da fada.