sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Luz

Nunca fui de desistir, quase dois anos volvidos recomeço tudo com a certeza de que nada será como era e sobretudo que será bem mais difícil prosseguir. Antecipo prazeres e sorrisos que podem nunca chegar, olho para o céu com outros olhos e parece-me ver mais estrelas. O que perdi, perdido foi, continuarei a escrever poemas de amor com o sorriso dos miúdos e continuarei a rir até doer a barriga com os disparates deles. Selo dois anos da minha vida, retirando apenas o que deles valeu a pena, as pessoas que me deram a mão e os degraus trepados a custo, abafo todas as perdas, amputo hipocrisias e esmago todos os desgostos.
Sigo mais uma vez em frente com a certeza de sermos ainda melhores porque se sobrevivemos a isto é porque somos do caraças. Fintámos a aflição com amor e abraços, somos mesmo do caraças!

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

À hora marcada

Depois de jantar.
-Macaquitos, vou beber café com a M., alguém quer vir?
-Eu vou mamã! - responde macaquito. -Tenho só de pôr o meu relógio. Posso levar o relógio?
-Claro, vai buscar para eu pôr.
Passado pouco tempo de estarmos no café, vem ao pé de mim. 
-Mãe, podes tirar-me o relógio?
-Posso mas porque é que o puseste?
-Para ter a certeza que chegávamos a horas!

Talvez importe referir que ele nem sabe ver horas nos relógios de ponteiros.

domingo, 12 de agosto de 2018

O trânsito no "homem" roubado

Disse-me 10 vezes ou mais, provavelmente foram muitas mais: "Tenho de ser entrevistado pela Inês Lopes Gonçalves!"
Obviamente... conseguiu!


quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Quando crescer não quero ser

-Mãe, acho que já não quero ser carteiro.
-E já pensaste no que queres ser? Se bem que não tem pressa, tens muito tempo para decidir.
-Pois mas eu não quero ser carteiro, nem bombeiro, nem polícia, nem taxista... Acho que preciso da tua ajuda.
-E em que posso ajudar?
-Ajuda-me a decidir, preciso que me digas uma profissão que não dê muito trabalho, uma que não seja preciso fazer nada.



Estive para relembrá-lo disto mas resolvi deixá-lo decidir sozinho.


sexta-feira, 27 de julho de 2018

Gaba-te cesta

Macaquito passa tardes inteiras nas traseiras de casa a andar de bicicleta, consigo vê-lo da janela e muitas vezes dou comigo a apreciá-lo e às suas tentativas de acrobacias desajeitadas. Vale pelo esforço, afinal faz tão pouco tempo que aprendeu a andar sem rodinhas. Encontrei uma vizinha e diz-me ela assim:
-No outro dia fartei-me de rir com o teu filho.
-Então?
-Fui à janela e ele andava ali atrás de bicicleta a falar sozinho...
-Pois, o costume.  - digo eu a rir.
-A dada altura ele vem muito depressa, chega ao fundo, dá um saltito com a bicicleta e diz muito alto. "Ai, ai que eu sou tãaaaoooo talentoso!"

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Nunca imaginei perder tudo ou quase tudo. Embarco em pensamentos surreais de como tudo voltará ao que era mas no fundo sei que nada voltará a ser igual, perdi a confiança nas pessoas, perdi dias de vida, dias felizes que eram quase todos, perdi o sono e a sanidade, perdi estabilidade, perdi o meu pai, perdi tranquilidade e o sorriso. Vou a meio da vida e ainda me surpreendo com a maldade e desonestidade das pessoas, deveria saber melhor... As tragédias podem ensinar-nos muita coisa mas já não tenho muito a aprender com a perda e longe de mim pensar que a infelicidade é um privilégio mas se nunca tive dúvidas com quem posso contar, neste momento tenho a certeza que tenho as pessoas certas ao meu lado.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Oito e uns binóculos

Nem preciso de a consolar, porta-se que nem gente grande quando lhe explico que neste aniversário não poderei satisfazer-lhe os pedidos, aliás tem um coração e a maturidade que falta a muita gente grande. São oito, só faz oito e tudo o que lhe desejo é que seja sempre feliz, suponho que será pois nem nos momentos mais difíceis perde o sorriso. E que bonito é o seu sorriso!